quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

SALVE GRANDE RUY BARBOSA!

Todo brasileiro que um dia já leu alguma coisa, que passou pela escola, ainda que seja do falido sistema público de ensino, já deve ter ouvido falar de Ruy Barbosa, o “mestre das línguas e das leis”. Esta semana, ao ver no Facebook esta célebre frase, resolvi compartilhar. Pouquíssimas pessoas curtiram ou compartilharam, mas há que se louvar que tal atitude adveio de amigos que estão entre os mais inteligentes e independentes da minha rede de relacionamentos, tanto virtuais quanto pessoais. Vale a pena compartilhar a frase aqui também, de preferência em destaque: “Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que às vezes fico pensando, se a BURRICE não será uma CIÊNCIA.” Aí, para comentar esta frase, bem aplicável a nossa linda, maravilhosa, encantadora e aconchegante Sete Lagoas em praticamente todos setores, especialmente na política, recorro-me a uma mensagem que recebi de um amigo, via e-mail: Navegavam há meses e os marujos não tomavam banho nem trocavam de roupa. Isso não era novidade na Marinha Mercante Britânica, mas o navio fedia! O Capitão chama o Imediato: - Mr. Simpson, o navio fede, mande os homens trocarem de roupa! Parte para reunir os seus homens e diz: - Marujos, o Capitão está se queixando do fedor a bordo e manda todos trocarem de roupa. David, troque a camisa com John, John troque a sua com Peter, Peter troque a sua com Alfred, Alfred troque a sua com Jonathan ... e assim prosseguiu. Quando todos tinham feito as devidas trocas, volta ao Capitão e diz: - Sir, todos já trocaram de roupa. O Capitão, visivelmente aliviado, manda então prosseguir a viagem...” É mais ou menos isso que acontece na política brasileira, com grande destaque para a nossa terra. Mudam de roupa, mas elas continuam no contexto. E continuam fedidas. E tudo continua fedido. E o comandante continua fedido também, e finge que agora tudo está bem. Sabe qual a má notícia? Vai continuar assim, pois os eleitores analfabetos são maioria. Viva o Brasil, viva Minas Gerais. E, claro, viva a nossa boa, mau caráter e desavergonhada Pindaíba do Norte!