terça-feira, 4 de agosto de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº47

Há uma união entre o que vejo e sinto, 
E o bem que cada coisa verte de uma em outra: 
Quando meus olhos anseiam por um olhar, 
Ou o coração apaixonado, brando, a suspirar, 
Meus olhos celebram a imagem do meu amor, 
E, diante do banquete, se rende a minha emoção; 
Em outro tempo, meus olhos se aninham ao sentimento, 
E se unem aos seus pensamentos amorosos: 
Então, seja por tua imagem ou pelo meu amor, 
Estás, mesmo distante, sempre comigo; 
Pois não corres mais do que meus pensamentos, 
E estou sempre com eles, e eles, contigo; 
Ou, se adormecem, a tua imagem à minha frente 
Desperta meu amor para a alegria dos olhos e do coração.