sexta-feira, 7 de agosto de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº50

Com que pesar enfrento a jornada, 
Quando o que procuro (o triste fim do meu caminho) 
Mostra-me, docilmente, a resposta que devo dar: 
“Assim as milhas são marcadas para longe de teu amigo”. 
O animal que me carrega, cansado do meu pranto, 
Cavalga firme, suportando o peso que levo comigo, 
Como se, por instinto, o animal soubesse 
Que o cavaleiro de ti não quisesse se afastar. 
As esporas sangrentas não o atiçam 
Que, por vezes, o ódio toca-lhe por dentro, 
E, prontamente, responde com um grunhido 
Mais agudo para mim do que ao esporeá-lo; 
Pois o mesmo grunhido põe isto em minha mente: 
Minha tristeza jaz à frente e, minha alegria, atrás.