terça-feira, 11 de agosto de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº52

Serei como o rico, cuja abençoada chave 
Conduz ao seu doce e bem guardado tesouro, 
Que nem sempre vem admirar 
Para não perder o prazer de vê-lo. 
Por isso, as festas são tão solenes e raras – 
Esparsamente marcadas ao longo do ano, 
Como pedras valiosas, delicadamente dispostas, 
Ou suntuosas joias incrustadas na tiara. 
Assim é o tempo que a mantém junto ao meu peito, 
Ou como o guarda-roupa que esconde o vestido, 
Para transformar o instante em mais especial ainda 
Ao desfolhar novamente seu orgulho aprisionado. 
Abençoada sejas, cujo valor ressalta, 
Ao ter-te, o triunfo; ao perder-te, a esperança.