quinta-feira, 20 de agosto de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº59

Se não há novidade, senão a que havia 
Antes, como se conformará nosso cérebro, 
Que, ocupado em inventar, suporta 
O segundo fardo de um primeiro filho! 
Ó esse fato poderia, com olhar antigo, 
Mesmo passados quinhentos dias, 
Mostrar-me tua imagem em um velho livro, 
Uma vez que a mente já conheça seu caráter! 
Que eu possa ver o que o velho mundo diria 
Diante da maviosa conformação de teu rosto – 
Sejamos alterados, ou sejamos melhorados, 
Ou mesmo que a revolução nada altere. 
Ó certamente sou a sabedoria do passado, 
Que homens piores cobriram de excedidos elogios.