sexta-feira, 11 de setembro de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº75

És, para mim, como o alimento para a vida, 
Ou a chuva amena para o solo no tórrido verão; 
E, para teu bem-estar, me esforço 
Entre a miséria e a riqueza: 
Orgulhoso com o desfrute, e logo 
Duvidando que a idade roube seu tesouro; 
Agora espero estar apenas contigo, 
Então, melhor para que o mundo me veja bem; 
Por vezes, comemorando à nossa vista, 
E aos poucos ansiando por um olhar; 
Possuindo ou perseguindo qualquer prazer, 
Exceto aquilo que se tem ou seja tirado de ti. 
Assim, jejuo e sobrevivo a cada dia,
Ou a tudo devoro, o tempo todo.