sexta-feira, 18 de setembro de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº80

Ó, como enfraqueço ao escrever sobre ti, 
Sabendo que um espírito melhor usa teu nome, 
E do elogio emprega toda a força 
Para fazer-me calar, ao falar de tua fama. 
Mas como teu valor, vasto como o oceano, 
Humilde como a vela mais valente, 
Meu latido, muito inferior ao dele, 
Emerge sobre as tuas correntezas. 
Teu menor auxílio me manterá emerso, 
Enquanto ele cavalga tuas silentes profundezas; 
Ou, náufrago, sou um barco inútil, 
Ele, forte, alto e orgulhoso. 
Então, se ele sobreviver e eu for dispensado, 
Eis o pior: meu amor selou minha ruína.