quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº133

Maldito o coração que faz o meu gemer 
Pela profunda ferida que causa a mim e ao meu irmão! 
Não bastasse torturar a mim somente, 
Mas ainda escraviza meu terno amigo? 
Arrancaste-me de mim com teu olhar cruel, 
E a meu semelhante desprezaste mais ainda. 
Por ele, por mim, e por ti, fui abandonado – 
Um tormento triplo a ser suportado. 
Prende meu coração em teu peito de aço, 
Mas o coração do meu amigo liberta o meu; 
Quem me guardar, deixa meu coração guardá-lo; 
Não podes ser tão severa ao aprisionar-me. 
E mesmo assim o fazes; porque, sendo teu, 
Dou-me a ti, e tudo que tenho em mim.