sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº135

Todos têm seu desejo, tu tens o teu, 
E Desejo de dar, e Desejo à mancheia; 
Mais do que devo, eu ainda a perturbo, 
Acrescendo sempre mais ao teu desejo. 
Senão, quem deseja de modo largo e prazeroso, 
Sem esconder o meu desejo no teu? 
O desejo em outros parecerá gracioso, 
E em mim não pode ser aceito? 
O mar, os rios recolhem as águas da chuva, 
E, abundantes, somam-se às suas reservas; 
E tu, rica em Desejo, aumenta o teu Desejo 
Com o meu para fazer crescer ainda mais o teu. 
Não matemos os amantes injustos e pouco gentis; 
Pensa apenas em mim e, em mim, neste Desejo teu.