segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

154 Sonetos de William Shakespeare - Soneto nº136

Se tua alma te impede que eu me aproxime, 
Jura à tua cega alma que sou teu Will, 
E o desejo, tua alma sabe, aqui cabe; 
Pois o meu amor preenche a minha doçura. 
Will preencherá o tesouro do teu amor, 
Sim, encherá até a boca, e apenas com o meu desejo. 
Naquilo que aceitamos, logo comprovamos 
Somente o que preferimos. 
Assim, entre vários, passo despercebido, 
Embora eu seja único para ti; 
Pois nada me detém, então, não me impeças 
Que eu te seja doce e gentil. 
Ama apenas o meu nome, e o amor que ele contém, 
E assim me amas, pois meu nome é Will.