sábado, 5 de março de 2016

AS PALAVRAS TÊM FORÇA

"BOA SORTE, SENHOR GORSKY"

No dia 20 de julho de 1969, Neil Armstrong, comandante do módulo lunar Apolo 11, se converteu no primeiro ser humano que pisou na Lua.
Suas primeiras palavras ao pisar no nosso satélite foram: "Este é um pequeno passo para o ser humano, mas um salto gigantesco para a humanidade".
Estas palavras foram transmitidas para a Terra e ouvidas por milhares de pessoas.
Justamente antes de voltar à nave, Armstrong fez um comentário enigmático: "Boa Sorte, Sr. Gorsky."
Muita gente na NASA pensou que foi um comentário sobre algum astronauta soviético. No entanto, depois de checado, verificaram que não havia nenhum Gorsky no programa espacial russo ou americano.
Através dos anos, muita gente perguntou-lhe sobre o significado daquela frase sobre Gorsky, e ele sempre respondia com um sorriso.
Em 5 de julho de 1995, Armstrong se encontrava na Bahia de Tampa, respondendo a perguntas depois de uma conferência, quando um repórter lembrou-lhe sobre a frase que ele havia pronunciado 26 anos atrás.
Desta vez, finalmente Armstrong aceitou responder. O Sr.Gorsky havia morrido e agora Armstrong sentia que podia esclarecer a dúvida.
É o seguinte: Em 1938, quando ainda criança em uma pequena cidade do meio oeste americano, Neil estava jogando baseball com um amigo no pátio da sua casa. A bola voou longe e foi parar no jardim ao lado, perto de uma janela da casa vizinha. Seus vizinhos eram a senhora e o senhor Gorsky. Quando Neil agachou-se para pegar a bola, escutou que a senhora Gorsky gritava para o senhor Gorsky:
"Sexo anal? Você quer sexo anal? Sabe quando você terá sexo anal? Só no dia que o filho da vizinha caminhar na lua!".
Verdadeira ou não, acaba sendo, no mínimo, curiosa. De minha parte, acredito ser verdadeira. Afinal, com que propósito, inventaria essa estória? Também, minhas crenças não são lá muito sugestivas de serem seguidas. Afinal, acredito em ETs, reencarnação, predestinação, enfim. Não me queiram mal, pois é essa a minha maneira de considerar meu Deus justo.
Afinal, há tanta gente injusta no mundo que só mesmo um plano prévio de Deus na vida de cada um é que pode nos fazer entender estas malas sem alças espalhadas por aí e, que de vez em quando cruzam nosso caminho misturando toda a tinta...
(Texto publicado no Jornal Tribuna de Sete Lagoas, na coluna rubens.marketing)